Máscara e vacina:
Decisões individuais, efeito coletivo.

19 de junho de 2022

Notícias em 19/06/2022

Imagem em destaque

O encontro das águas Negro-Solimões
A imagem acima mostra uma vista aérea com a cidade de Manaus ao fundo, mais à esquerda. Também mostra o local onde o Rio Amazonas é formado a partir do encontro das águas mais escuras do Rio Negro com as águas mais claras do Rio Solimões, no estado do AM, Brasil. O ângulo da confluência Negro-Solimões é definido pela neotectônica transcorrente que, de resto, domina a parte central da Bacia do Amazonas. Nesta região, depósitos clásticos da Formação Alter do Chão, do Cretáceo ou Cenozoico, servem de assoalho para a planície holocênica ali desenvolvida. Ela emerge em diversos pontos configurando as margens e os leitos dos rios. Um nível silicificado desta formação aflora na Ponta das Lajes (na margem esquerda do Rio Negro, na porção central da imagem acima), avançando nas águas deste rio, como que a empurrá-lo de encontro ao Rio Solimões. A neotectônica, presente na Ponta das Lajes, tem, deste modo, responsabilidade na preparação do encontro das águas Negro-Solimões, assim como na sedimentação quaternária das ilhas fluviais Xiborena e do Careiro (na imagem acima, respectivamente, à esquerda e à direita do Rio Solimões). A Formação Alter do Chão chega a ser escavada na margem norte do ultimo trecho do Rio Negro (com 90 m de profundidade neste encontro), antes do encontro, como se fizesse uma última tentativa para se afastar do Rio Solimões (com 35 m de profundidade no local). Na altura da Ponta das Lajes, o Rio Amazonas praticamente inicia seu percurso e ali ele tem sua menor largura, cerca de 2 km. Este rio e seus afluentes têm uma vazão anual média de 200.000 m³/segundo e apresentam diferenças marcantes na coloração e na transparência das suas águas. Isto se deve, principalmente, às características físico-químicas (temperatura, pH, alcalinidade, condutividade e dureza), biológicas e geológicas, que determinam a composição do material dissolvido (incluindo matéria orgânica e oxigênio). Estes fatores definem os tipos de água e, entre os mais conhecidos na região amazônica, temos a "água preta" e a "água branca". Na confluência Negro-Solimões, estes tipos são representados respectivamente pelos rios Negro (que nasce nos Llanos, uma vasta planície da Colômbia, procedendo do Escudo das Guianas) e Solimões (que nasce nos Andes peruanos). A "água preta" é extremamente pobre em sais minerais, nutrientes e eletrólitos devido à pouca movimentação e ao suave relevo das suas regiões de origem. Em geral, os processos de erosão são pouco intensos e reduzidos pelo revestimento florestal. O Rio Negro carrega grande quantidade de ácidos húmicos e óxidos de ferro dissolvidos. Seu pH fica entre 4,8 e 5,1. A "água branca" do Rio Solimões é influenciada, principalmente, pela erosão que ocorre na região Andina e Pré-Andina, junto às nascentes, onde o solo é relativamente alcalino e rico em sais minerais. Nestes casos, intensos processos erosivos lançam elevada carga de sedimentos nas águas. O Rio Solimões carrega entre 37 mg/litro (nas épocas de seca) e 165 mg/litro (nas enchentes) de sedimentos, incluindo argilas, siltes e areias finas. O ph fica próximo da neutralidade, entre 6,5 e 7. Para a diferença de coloração das águas destes dois rios, uma outra razão é indicada na chamada "Lenda do encontro das águas". Diz esta lenda que a índia Jasmin e o filho do "Deus do Vendo" se apaixonaram. O pai do rapaz ficou furioso e resolveu, como castigo, parar o vento da floresta. Os pássaros fugiram e a tristeza tomou conta de todos. A tribo de Jasmin, para acalmar o "Deus do Vento", resolveu jogar a pobre coitada no rio e, sabendo disto, o filho do "Deus do Vento" resolveu se jogar também. Morreram ambos afogados, mas os cabelos negros de Jasmin (no lado do Rio Negro) e os cabelos claros de seu amado (no lado do Solimões) ficaram unidos e separados para sempre, representando aquele amor impossível.
(Crédito da imagem: Portal da Copa - fonte1 - fonte2 - fonte3 - fonte4)

Assuntos do dia
projeto, petróleo, política, energia alternativa, meio ambiente, terremotos, vulcanismo, tecnologia, ciência espacial e outros.

    Projeto
Projeto para mineração de ouro está em fase de implantação em Almas, TO


    Petróleo
Brasil está entre os países que devem contribuir para o crescimento da oferta de petróleo em 2022


    Política
Congresso avalia taxar exportação de petróleo contra reajustes no preço dos combustíveis


    Energia alternativa
Ambev planeja alcançar 100% de energia eólica nas suas operações em dois anos


    Meio Ambiente
Vale desenvolve areia sustentável produzida a partir de rejeitos de minério de ferro


    Vulcanismo
Vulcão Popocatepetl

Outros vulcões em destaque
    Registram atividade vulcânica significativa: Ibu, Semeru e Dukono na Indonésia, Fuego na Guatemala, Nevado del Ruiz na Colômbia, Sangay e Reventador no Equador e Sanbancaya no Peru.
    LEIA MAIS em www.volcanodiscovery.com


    Terremotos
Sismos mundiais com 5 graus ou mais nas últimas 24 horas
    Dia 18, em Mendoza, Argentina (5,1 graus).
    Dia 19, em Tonga (5,2 graus), na costa oeste de Honshu, Japão (5,1), nas Ilhas Ryukyu, Japão (5,5 e 5,1), e em Tonga (5,3).
    LEIA MAIS em www.emsc-csem.org

Sismos mundiais entre 4,5 e 4,9 graus nas últimas 24 horas
    Dia 18, no sul de Bali, Indonésia (4,5 graus), no norte da Colômbia (4,5), dois no sul do Irã (4,9 e 4,5), nas Ilhas Galápagos (4,8), na costa leste de Kamchatka, Rússia (4,5), e na região das Illhaws Prince Edward (4,7).
    Dia 19, nas Ilhas Volcano, região do Japão (4,6 graus), em Tonga (4,9), na costa leste de Honshu, Japão (4,6), na região de Tonga (4,8) e no norte do Oceano Atlântico (4,5).
    LEIA MAIS em www.emsc-csem.org


    Ciência espacial
Desvendada a formação das dunas em Io, a lua de Júpiter
    (Por Joana Campos) Novo artigo, publicado na revista Nature Communications, analisa Io e as suas evidentes cristas serpenteadas.
    LEIA MAIS em www.tempo.com

A sonda Lucy da NASA ganhou um nono destino de asteroide para sua missão de 12 anos
    (Por Rahul Rao) Lucy foi lançada em outubro de 2021 e está destinada aos asteroides troianos, que viajam na órbita de Júpiter.
    LEIA MAIS em www.space.com

Auroras de Júpiter são 100 vezes mais energéticas do que as da Terra
    (Por Vardhan Duro) A NASA recentemente compartilhou um visual capturado pelo telescópio Hubble em que as auroras foram vistas brilhando sobre o polo norte de Júpiter.
    LEIA MAIS em www.republicworld.com


    Tecnologia
Empresa desenvolve protótipo funcional de torres para turbinas eólicas a base de madeira mais forte que aço


    Extra
A guerra na Ucrânia


Notícias em 18/06/2022

Nenhum comentário:

Traduzir

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *