31 de dezembro de 2018

Retrospectiva 2018 - Terremotos


Imagem em destaque
O terremoto e a ponte 
Terremoto de 7,0 graus em novembro no Alasca, que atingiu as áreas de Anchorage e Matanuska-Susitna Valley.
(Crédito da imagem: Alaska DOT&PF)

Principais notícias sobre Terremotos no ano de 2018

Terremotos

Janeiro:
Brasil, Caribe, Honduras, Peru, Portugal, Golfo da Califórnia, México, Alasca e Afeganistão
Brasil: 4,6 graus seguido de sismos menores, em Teresina, PI.
Caribe e Honduras: 7,6 graus.
Peru: 7,1 graus com vítimas
Portugal: 4,9 graus no centro e no sul do País. Golfo da Califórnia: 6,6 graus.
México:  6,3 graus no mar a noroeste do País. 
Alasca: 7,9 graus com alerta de tsunami.
Afeganistão: 6,1 graus.

Fevereiro:
Taiwan, Peru, México, Açores e Papua Nova Guiné
Taiwan: 6,1 graus na costa leste e 6,4 graus com vítimas e feridos.
Peru: três, sendo um de 5 graus.
México: 5,8 graus e outro de 7,2 graus, este foi sentido até na Guatemala.
Açores: centenas de sismos originados da mesma falha que destruiu São Miguel há quase 500 anos.
Papua Nova Guiné: vários, um deles de 7,5 graus, com muitas vítimas. 

Março:
Indonésia, Galápagos, Costa Rica e Papua Nova Guiné
Indonésia: 5,7 graus no Mar de Ceram 6,4 graus na costa leste.
Galápagos: 5,0 graus.
Costa Rica: 5,4 graus.
Papua Nova Guiné: 7,4 graus com risco de tsunami.

Abril:
Bolívia, Filipinas, Papua Nova Guiné, Japão e Irã
Bolívia: 6.8 graus, sentido em diversas cidades do Brasil
Filipinas: 6,2 graus.
Papua Nova Guiné: 6,3 graus
Japão: 6,2 grau com vítimas e danos materiais. 
Irã: 5,9 graus.

Maio:
Tawian, Filipinas e México
Taiwan: 5,5 graus.
Filipinas: 6,1 graus.
México: 5,3 graus.

Junho:
Japão, Guatemala, Vanuatu e Grécia
Japão: 6,1 graus com vítimas. 
Guatemala: 5,6 graus, duas semanas após devastação causada pelo vulcão del Fuego. 
Vanuatu: 6,1 graus
Grécia: 5,5 graus.

Julho:
Japão, Brasil, México e Indonésia
Japão: 5,9 graus, sentido em Tóquio.
Brasil: 2,8 graus, com susto no município de Baião, no Baixo Tocantins, e 2,2 graus, em Poços de Caldas, MG.
México: 5,7 graus.
Indonésia: 6,4 graus, com vítimas.


Agosto:
Brasil, Indonésia, Venezuela, Peru e Irã
Brasil: Serviço Geológico entrega relatório e sugere novos estudos no Bairro Pinheiro em Maceió.
Indonésia: 6,6 graus.
Venezuela: 7,3 graus, sentido em cidades de Roraima.
Peru: 7,1 graus, sentido em cidades do Acre.
Irã: 6,0 graus, com vítimas.
Brasil: 2,8 graus em Pará de Minas, MG.

Agosto:
Indonésia e Portugal
Indonésia: 7,0 graus.
Portugal: 3,2 e 2,7 graus, principalmente em Braga.

Setembro:
Portugal, Japão, Equador, Nova Zelândia e Indonésia
Portugal: 4,6 graus, sentido no norte e no centro do País.
Japão: 6,7 graus, com vítimas na Ilha de Hokkaido.
Equador: 6,5 graus.
Nova Zelândia: 6,9 graus.
Indonésia: 7,5 graus, com tsunami, atinge 1,5 milhão de pessoas.

Outubro:
Haiti, Papua Nova Guiné, Indonésia, Rússia, Brasil, Grécia e México
Haiti: 5,9 graus, com vítimas.
Papua Nova Guiné: 7,0 graus, com ameaça de tsunami.
Indonésia: 6,0 graus, com vítimas.
Rússia: 5,4 graus.
Brasil:  2,1 graus, sentido em Londrina, PR. 
Grécia: 6,8 graus.
México: estudo verificou que terremoto em 2017 dividiu a placa tectônica de Cocos em duas.

Novembro:
Chile, Brasil, Irã, Colômbia, Japão, Alasca e Portugal
Chile: 6,2 graus, no norte.
Brasil:  2,0 graus, em Caxias do Sul, RS.
Irã: 6,3 graus, com feridos, e outro de 6,4 graus.
Colômbia: 6,1 graus, sentido em arquipélago do País.
Japão: 5,0 graus.
Alasca: 7,0 graus.
Portugal: três sismos entre 3,3 e 3,9 graus, em Lisboa e Setúbal.


Dezembro:
Alasca, Nova Caledônia, Chile, Austrália, Rússia, Venezuela, Peru, Indonésia, Filipinas e Japão
Alasca: 7,0 graus, racha rodovias e danifica prédios
Nova Caledônia: Dois terremotos 7,5 e 6,6, no pacífico.
Chile: 5,2 graus e outro de 5,2 graus na região de Magallanes e Antártica.
Austrália: 6,0 graus, na ilha Norfolk.
Rússia: 7,3 graus.
Venezuela: 5,6 graus.
Peru: 6,8 graus, com vítimas.
Indonésia: 6,1 graus, uma semana depois de tsunami, e ainda outro de 5,8 graus na Papua Ocidental.
Filipinas: 7,2 graus
Japão: 5,4 graus em Hokkaido.


Voltar à Retrospectiva 2018

Nenhum comentário:


Publicação em destaque


Minério de Ferro: produção em crise

Por Marco Gonzalez O mercado global de minério de ferro está sob  pressão  devido a um choque na oferta, depois do rompimento da barragem ...

Seguir por e-mail